quinta-feira, 2 de fevereiro de 2012

oito tipos de professores que deveriam ser erradicados do planeta

Uma vez minha professora de geografia me disse que há dois tipos de professores: os que ensinam e os que dão aula. Os que ensinam são aqueles que realmente se empenham em dar algo além do conteúdo básico, em estar lá na sala de aula, em se envolver e verifica se seus alunos estão compreendo o assunto. São os que tem jeito pra coisa. E os que dão aula são aqueles que simplesmente chegam na sala, dão qualquer assunto e vão embora. Indiferentes. E em muitos casos, atormentadores.

Geralmente os professores que amamos são do primeiro tipo. Os professores que odiamos e os que não lembramos são do segundo tipo, em geral.

Mas eu considero que há uma variedade enorme dentro da classe professoral que inclui tipos tão estranhos, porém tão comuns aos alunos. Inacreditavelmente, pais e diretores não conseguem acreditar na existência desses subgrupos, como se alunos fizessem questão de mentir ao falarem de alguém. É como se as pessoas, ao se formarem, esquecessem do quão peculiares professores conseguem ser.

Peculiar é eufemismo para aterrorizante, estranho, estúpido e insano. Daí pra baixo.

Essa compilação não é geral para todos os professores. É só os piores tipos. É só aqueles que eu tive o desprazer (e a rica experiência) de cruzar no meio do caminho. Eu gostaria muito que professores atuais não lessem esse post tentando se encaixar, porque aqueles que realmente se importam (aqueles que ensinam) não vão conseguir se encaixar. E aqueles que não se importam e que se encaixam, bem, eu não posso fazer nada a respeito. Há professores irresponsáveis, insanos, ridículos, loucos, arrogantes e eu tive tanto deles que acho egoísmo guardar essas experiências para mim. Sempre tirei muita coisa de bom (fora a raiva e desprezo) desses professores, mais até do que dos professores bons, maravilhosos e fantásticos que apareceram na minha vida. Devo lembrar também que é uma compilação pensando nos meus dezoito anos de vida. Não necessariamente de 2011/2012.

nota: os 'sr' e 'sra' foram de acordo com minha experiência de vida. todos os tipos são unissex, é porque eu tive mais mulheres ou homens de determinado tipo, o que influencia eu escolher 'sr' ou 'sra' de acordo com minha vivência.


jack sparrow seria desses
e te oferecia rum FATO

Sr. Quero Só O Meu Salário é aquele tipo indiferente. Chega na sala (quando chega), dá o assunto, cai fora. Invariavelmente se ausenta sem nenhum motivo aparente, passa exercícios e um trabalhinho como nota da unidade, aparenta ser legal em muitas ocasiões, mas não se engane: é só pra disfarçar a irresponsabilidade dele. Ele sempre pensará em cair fora. Ele geralmente não passa grandes trabalhos porque não quer estar na sua sala em dois meses. E geralmente todo mundo tem notas boas com ele, só para que ele não tenha que assumir o fardo de elaborar algo para a recuperação. Literalmente ele só quer o salário e mais nada.


gilderoy lockhart pergunta:
que tal um autógrafo?

Sr. Mamãe Sou Uma Estrela é o showman. Toda aula tem que ter uma palestra sobre a vida, a morte, a economia mundial, astrofísica, religião, cinema e programação da TV aberta. Sempre tem alguma piadinha na manga. Sempre dá conselhos como se fosse alguém que viu de tudo nesse mundo. As pessoas não lembram de nada do que ele ensina, só do que ele diz. É o tipo mais imitado, e ele parece - às vezes literalmente - que está em cima de um palco para uma grande multidão proferindo suas palavras de sabedoria e experiência. Dentro desse grupo, tem o sub grupo Sr. Mamãe Quero Ser Dumbledore que é aquele tipinho irritante de professores que sempre te dão conselhos óbvios em tom sublime de sabedoria e carregam um ar tão incrível de experiente que só falta uma capa roxa e um chapéu enorme. E uma casa numa caverna.


"wtf" é o que você pensa ao se deparar com esse tipo

Sra. Preciso de Ombro Amigo é um tipo que todo mundo conhece uma professora que faz o tipo (mais comum ser uma mulher nesses casos, não me pergunte porquê). Ela é um amor de pessoa. Ela sempre diz as coisas em tom amável. E ela não tem pudor nenhum de revelar as coisas acerca da vida dela. Ela irá contar na sala de aula tudo que já se passou na vida dela. Provavelmente ela faz o plano de aula pensando nos minutos preciosos que ela faz de sua querida turma de alunos o seu ouvido. Repetirá as histórias de sua vida e turmas se identificam com um "ela já te contou essa história?". É um tipo que aluno não costuma odiar, só achar estranho porque aquela pessoa necessita tanto contar os dramas de sua vida para trinta adolescentes que estão pouco se lixando.


minha expressão diante desse tipo. fato.

Sra. Bipolar é aquela criatura... bipolar. Só isso explica os dias de profundo amor e devoção que a pessoa tem e os outros dias de profundo surto histérico. Se você ainda não foi insultado em grupo por uma pessoa assim, se prepare. A Sra Bipolar que também pode ser um Sr Bipolar irá aparecer na sua vida. Todo aluno tem sua história da Sra Bipolar para contar. Incrivelmente é como se todos viessem do mesmo buraco, porque repetem as mesmas coisas em milhares de salas de aula diferentes espalhadas por todo o Brasil. Ela irá gritar e depois parecer éterea e depois voltará a gritar. Reclamará sempre da juventude atual, depois se derramará de elogios para cada aluno em particular. Ela trata as pessoas por apelidos. Um dia parece que ela está apoiando vocês numa causa, no outro dia dirá que vocês que estão totalmente errados. É o que aluno chama de 'aquela aí é louca'.


de quantas maneiras você pode foder a vida de um aluno?

Sr. Que Os Jogos Comecem é aquele tipo sádico. Ri diante de uma turma desesperada. Imagino que meus professores antigos e novos desse tipo fiquem numa sala trancada, duas da manhã, com café trazido pelos criados sem língua ou pela mão da Família Addams, movendo os dedinhos feito Sr Burns pensando que questões daquele livro apavorante poderiam ferrar uma turma inteira. São os que fazem a turma ficar até nove da noite estudando para a prova no dia seguinte. Você sempre lembrará desse professor. Você não dirá mais "tenho prova de matéria x amanhã", e sim "tenho prova do fulano amanhã" e todos entenderão seu terror estampada na face. As pessoas não contam pontos para passar nessa matéria, mas sim para conseguirem ir para o conselho com folga. A contagem final nunca é de "quantos ficaram de recuperação", e sim "quantos passaram?".


não me odeiem, sou apenas um@ pobre professor@

Sra. Maria do Bairro é uma mistura da Sra. Preciso de Ombro Amigo e Sra. Bipolar. Ela sempre se fará de vítima. Ela sempre reclamará de como todo mundo conversa tanto, de como ela se esforçou para chegar ali e tudo o que tiver para ser reclamado. Não costuma ser um tipo odiado, porque todo mundo fica com pena (ou com mais ódio mortal), já que ela sempre tem aquela postura clássica de "sou a vítima mimimi vocês são os vilões". Ela sempre vai lembrar de onde ela se graduou, de como eram as coisas para ela. Geralmente ela sempre diz e depois dá alguma facada nas costas. É sempre assim.


que interessante, fale mais sobre seu ódio

Sra. Odeio Todos Vocês é um tipo incomum, já que professores se esforçam para parecer simpáticos nem que seja de vez em quando. Mas todo aluno lembra de, pelo menos, UM ou UMA professor@ desse tipo. Ela vai chegar na sala com a cara séria. Ela nunca rirá de nenhuma piada, mesmo que seja realmente engraçada. Ela sempre dirá que odeia vocês. Que está lá pelo salário. Que vocês estão perigando se forem pro conselho. E sempre discorrerá de como vocês tem uma fama tão ruim pela escola que é melhor nunca dizer nada, senão essa fama piorará. Ela odeia vocês. E vocês odeiam ela. Que lindo é o caso de ódio recíproco.


homens professores, não sejam nojentos

Sr. Seduçaum é o tipo detestado pelas garotas. Ele terá cantadas nojentas, olhará para seus peitos ou suas pernas, dirá coisas de duplo sentido, falará merdas machistas e homofóbicas e, quase sempre, terá uma aluna como namoradinha. É comum se saber de casos de troca de notas melhores por um beijo ou uma noite no motel. Talvez ele te tenha no msn e te peça para ligar a webcam. Fiquem longe deles.

Acho que tá bom.
Se lembrar mais, eu falo.

5 comentários:

Marina disse...

Eu tive que comentar esse post Luna, muito bom. E sempre é assim mesmo, ninguém acredita em como os professores podem ser. Sabe um próximo post que ficaria bom como sequencia desse? "Funcionários da Escola que deveriam ser erradicados do planeta." Ai você poderia comentar de personagens bizarros que só sabem sorrir e nos informar o que já sabemos, "... não podemos fazer nada, os alunos são o lado mais fraco...".

Parabéns

Natyy disse...

Eu tinha um professor do tipo "Odeio todos vocês", e ele tinha o bizarro detalhe de que não ria. Não sorria, não ria, não dava nem uma risadinha. Tipo, mesmo. Tinha um monte de lendas urbanas de que ele tinha problemas nos músculos da face, mas ele mesmo desmentia tudo. Ele não ria porque não, e pronto. E às vezes ele fazia umas piadinhas, sabe, ele era engraçado, mas o homem NÃO RIA, o que o tornava muito assustador!!!!!
E a pior lenda urbana sobre ele era que se ele risse ou sorrisse pra você, você seria amaldiçoado e não passaria no vestibular.
Sempre que eu passava por ele só falava, "Bom dia, professor", e baixava a vista. Vou arriscar? Eu não né.

Cláudia disse...

Adorei o seu post!
Bem, eu acho que já tive mais de um Sr. Mamãe Sou Uma Estrela, mas o que mais marcou nos costumávamos chama-lo, secretamente, de Professor Repórter. O tema musical da sua vida era o tema do filme Missão Impossível. Ele era um professor de geografia, só falava do seu vizinho que lutou na segunda guerra, de suco de laranja, de fulana que ele conheceu que era diplomata na Etiópia, de suco de laranja, de chocolate, de suco de laranja, e... sobre a importância do suco de laranja. A aula dele era como peça de teatro, e ele estava sempre com um sorriso no rosto. SEMPRE. Tipo sempre mesmo. Ele falava sorrindo, respirava sorrindo, comia sorrindo, ficava bravo sorrindo. Quando eu disse pra minha mãe que ele parecia um emoticon de tanto sorrir, ela não acreditou até vê-lo pessoalmente. E aí ela teve medo.
Já a Sra. Preciso de Ombro Amigo que apareceu na minha vida era uma professora intrigante. Adorava contar casos, como por exemplo o fato de que se casou com seu professor quando tinha 19 anos e como as coisas eram na época dela, coisas pelas quais ela passava na outra escola e como os seus filhos estavam e o que eles estavam fazendo da vida. Um dos momentos mais intrigantes que eu passei pra ela foi quando levei o meu caderno na mesa dela para ela dar visto no meu dever - tinhamos que pegar reportagens de jornais e fazer um resumo e um comentário, eram duas por semana valendo ponto extra - e a reportagem que eu tinha pegado era alguma coisa sobre bulimia (não sei ao certo). Ao ver a reportagem ela narrou com detalhes completos que a filha dela tinha passado por aquilo mas ela não sabia e tinha descoberto só a poucas semanas.
Já encontrei várias Sra. Bipolares na minha vida, e você já falou tudo sobre esse tipo: elas são sempre iguais.
Acredito ter tido dois Senhores Que Os Jogos Comecem, um me dava aula no técnico e o outro não vou revelar qual matéria, pra minha própria segurança. Não sei se ele vai me dar aula esse ano, mas é melhor prevenir.
A da Sra. Maria do Bairro que eu encontrei vivia dizendo: "Não tenho nem 30 anos e já estou terminando a segunda faculdade!" "Vocês precisam se esforçar, esforço é tudo na vida, vejam só o exemplo de fulano de tal, meu irmão e bla bla" "Essa turma de vocês..." "Vocês jovens deveriam prestar atenção em coisas importantes, como a Bília, eu por exemplo bla bla bla"... Enfim.
A Sra. Odeio Todos Vocês que eu conheci era uma figurassa. Todos nós a odíavamos e ela não sorria nunca. Era só ela entrar que virávamos robôs. Ela não parecia ter sentimentos. As aulas dela eram bem tensas. Enfim, isso aqui já é um post em si, vou terminar por aqui... E me diverti muito repassando mentalmente todos os tipos de professores que já tive na vida!

Natyy disse...

AH, fiquei tão mexida pelo outro que não me lembrei que já tive um Mamãe Sou Uma Estrela também! Pra ter uma noção, até cantar na sala ele cantava!
Vivia falando sobre suas viagens à Europa, sobre o quanto estudava pra dar as aulas, acho que ele se misturava com o outro tipo do Ombro Amigo, porque vivia contando seus problemas na sala, fazia alguns alunos de psicólogos mesmo! Eu nunca fui escolhida, graças a Deus, mas uma amiga minha sentava bem na frente e sempre era a vítima. Escutava desde as festas que ele entrava de penetra quando era jovem aos seus atuais problemas de articulação.
E além de tudo, a turma não tinha nenhum respeito por ele. Diziam que ele era gay, circulavam várias lendas urbanas também de que ele era noivo de uma professora da escola que tinha acabado o noivado por tê-lo visto na cama com outro. E era meio cego também, o cara tinha 12 graus de miopia.
Outra lenda urbana é que uma vez um professor de biologia usou um esqueleto para dar aula e deixou-o na sala, e ele chegou e mandou os "jovens" (chama os alunos de jovens) sentarem. Ficou 5 minutos discutindo com o esqueleto porque ele não sentou, achando que era um aluno!!

Ai ai, tem cada um viu...

Letícia D. disse...

P-E-R-F-E-I-T-O esse post! Nem preciso dizer que a cada descrição eu ria loucamente lembrando de cada individuo que se classificava no perfil. E realmente, o que dá raiva é saber que quando a gente fala da existência desses seres para alguém da escola (que não seja aluno) ou para os nossos pais, estamos errados! Só quem entende somos nós estudantes que temos que aguentar cada coisa que os professores fazem que sinceramente... E aguentar mesmo, pois já sabemos que não resolve nada reclamar dos absurdos que eles fazem pois vão dizer que é paranoia nossa, invenção e perseguição com o professor. E ninguém faz nada a respeito das irresponsabilidades, perseguições, falta de ética, entre outras coisas que muitos professores praticam contra os alunos. Revolta*
Amei teu post Luninha, bjs diva