segunda-feira, 11 de outubro de 2010

Considerações sobre o debate da Band

Terminei de ver agora o debate político na Band, pela MegaCubo e tudo o mais. Não vi todo, acho que só de metade pra diante e perdi algumas coisas, principalmente as ditas por Serra. Acho a voz dela monotóna e tenho mais dificuldade de fazer leitura labial com ele, então não consigo me concentrar no que ele fala. Então fico entediada e vendo o meu twitter que está muito movimentado ultimamente, confesso. Mas Dilma, em compensação, tem o tipo de voz que me atrai. Só não gosto de quando ela gagueja. Dá impressão de nervosismo, de não saber o que falar, de estar mentindo. Enfim, essa eleição está ficando suja e eu amei o debate de hoje. Eu amei o debate porque vi uma Dilma mais determinada, mais forte, mais agressiva. Por que eu considero que ela não pode ficar Paz e Amor para todo mundo, não quando ela está sendo criticada, ameaçada, xingada e esculhambada pela internet inteira. Por que eu estava frustrada ao vê-la aceitando os interesses evangélicos para ganhar votos.

Ela é a favor, sim, da descriminalização do aborto, mas qual seria o custo se o povo viesse a saber disso? Como é que as pessoas vão votar em alguém sabendo que ela vai apoiar, sim, que aborto seja feito caso a mulher deseje? Porque essas pessoas não vão entender que é um direito da mulher e nem vão entender que morrem mais de dez milhões de mulheres todos os anos por conta de abortos malsucedidos. Elas só querem proteger a vida do feto. E elas também não conseguem entender que o presidente não pode fazer nada. A política do Brasil é dividida entre Legislativo, Executivo e Judiciário e quem cuida dessas leis é o Legislativo. E presidente é cargo executivo. Mesmo se Dilma rodar a baiana, ela não vai poder forçar essa descriminalização do aborto pra ninguém. Então do que essas pessoas estão com medo? Por que elas estão jogando os MEUS direitos como meio para terrorismo eleitoral? É como casamento gay. Por que estão usando isso como fator negativo? Casamento gay é DIREITO HUMANO! É o mínimo que deveríamos ter se queremos ser considerados um país para todos. Brasil é um país de todos, não apenas de um punhado influenciado por igrejas. E que se danem as igrejas.

Eu não tenho respeito algum por elas. Cansei de ficar sempre querendo ser respeitosa, amigável e não entrar em conflitos com religião. Por muito tempo mantive um ateísmo pacífico, de eu aqui e você ali. Mas essas eleições estão ficando o fim da picada. Eu me recuso a ser governada por um bando de igrejas evangélicas que consideram que é direito delas usurparem direitos de outras pessoas. Eu estou tendo os meus direitos como mulher serem pisados e chicoteados, como fossem artimanhas do demônio. Eu estou vendo minha candidata ser fuzilada porque ela defende o direito ao aborto - o meu direito como mulher - e estou vendo que ela está se curvando para não perder a parada. Por que política é assim, é jogo de concessões e alianças que são sujas, nojentas e ordinárias. Eu não gosto de ver como Dilma está usando palavras religiosas em sua propaganda (fé, sagrada) e usando a coisa de mãe de família e tal. Eu sei que ela precisa fazer isso, porque precisa firmar a imagem de que é uma mulher tão legal, mãezona, tipo a tia Dilma que você tem, sabe, que como pode ser possível imaginar que ela é satanista, assassina e bandida? Pois é, eu sei disso, mas odeio, sabe? É chato, eu me sinto desconfortável. Acho que foi por isso que eu amei o debate de hoje. Eu meio que vi uma Dilma de verdade: à solta. Era como se tivessem prendido um leão numa jaula durante um tempo e de repente soltassem. Eu realmente gostei.

É claro que quem odeia Dilma vai dizer que ela gaguejou e tal. Ela gaguejou mesmo. Ela hesitou na hora de falar de Anvisa e acho que teve algum momento que ela falhou, mas acho que foi antes de eu entrar. Mas a maior parte foi Serra recuando. Serra sequer defendeu a esposa dele, quando Dilma retrucou que a esposa dele disse que ela era uma assassina de criancinhas. Sem contar que duvido que o povo vai cair nessa história de que Serra vai estatizar algumas das empresas e fortalecer a Petrobrás. Desde quando isso tem coerência com a ideologia de PSDB? Não tem. Não faz sentido. É como dizer que Bush resolveu distribuir camisinhas nas escolas públicas de ensino médio. Não confere, sabe?



♦ Eu sei, ando sumida, chata, do meu blog. Eu pensei em mudar o visual do blog, mas não quero, acho ele lindo. Eu só preciso ser mais dinâmica, e como me empolguei com Twitter, então vou integrar o blog ao twitter, certo? Substitui meu BBB pela faixinha de Twitter. :)

5 comentários:

@Porra_Serra_ disse...

Parabéns pelo seu texto, gostei muito de ler!

Aline J. Romy disse...

Não vi esse debate, eu tava acompanhando essas eleições de perto no começo, mas agora nem tanto, não por falta de interesse, ao contrário da maioria das pessoas acho política um assunto legal, mas por falta de tempo e preguiça também.
Esses ataques à Dilma me deixam irritada, e o pior é que mta gente acredita no que vê na globo ou revista veja que são meios super "parciais" mas enfim. Espero que ela ganhe e prove que merece o cargo de primeira presidente mulher do Brasil.
Beijos ;*

Malu disse...

Oi luna.
Entrei no seu blog através do concurso da Lola [alías votei em você] e fiquei lendo os textos antigos. Acho que você escreve muito bem, fora que me identifiquei com você. Temos muito em comum ^^
Bem, quanto ao debate, infelizmente eu o perdi. E achei que tinha CC, mas parece que não né?
Mas de qualquer modo eu fico feliz em ver que a Dilma mostrou firmeza pois não aguento ver esses ataques a ela principalmente puxado por coro de religiosos evangélicos. Me deprime. Tenho feito a minha parte "evangelizando" o povo sobre ela rs.
ósculos

Laís Dourado disse...

Luna!
Sumida mais sumida estou eu, mas quando vi esse vídeo só me lembrei de você!
http://www.youtube.com/watch?v=IltiSgMKWm0

:***
ps. Qual teu email?

Cláudia Machado disse...

Sumida todas nós estamos, tbm não apareço a séculos, em parte porque fiquem sem internet, mas antes disso, por causa do twitter e de outras coisas mais (lê-se the sims 3). Seguinte, realmente, também estou cansada. Também não assumo mais um ateísmo pacífico. Ainda mais depois que a minha professora de religião (é, eu estudo em uma escola de freiras) passou a me ignorar só porque eu pedi mais respeito com relação aos ateus dela! E ela sempre me tratava muito bem, por eu ser uma boa aluna, mas agora não faz diferença pra ela, sou igual a qualquer arruaceiro que atrapalha a aula dela. Sempre fui respeitosa. Adiantou de quê? A mente de pessoas assim não é fechada, é lacrada.