terça-feira, 31 de janeiro de 2012

retiro espiritual

Voltei ontem. Fiquei fora do mundo por uns dois dias para aprender a cantar. Para cantar. Para escutar outros cantando. Para escutar o piano. Para escutar o violão. Para aprender a respirar com o diafragma, para ir por cima da nota, para sustentar a nota, para não escorregar na nota.

Estive no meio do mato (aka 12 km da cidade de Barra do Choça, BA) sem internet (por isso minha ausência estranha no tumblr) dividindo um quarto com várias amigas, tomando banho em um chuveiro que tinha duas opções: Pólo Norte Plus ou Inferno Gold. Vi pavões e pavoas, cavalos, patos, cachorros e um gato lindo, todo preto, que não tirei foto porque era muito ocasionalmente que aparecia, sempre distante e sereno, longe de todos esses estranhos bípedes adolescentes. Casinhas todas lindas e fofas. Comida é boa, principalmente se você curte a linha saudável - coisa que não combina comigo, considerando que a única folha que consumo é alface e ainda com muita hesitação, dentro de um sanduíche, de preferência.

Fiz trilha super light, total Indiana Jones versão adolescente protegido por escola e seguro de vida, nada comparável às trilhas que fiz na Chapada (acabei nem comentando aqui sobre minha viagem à Chapada em novembro, do qual cheguei destruída), com troncos legais e plantas amigáveis que me arranharam um pouco, mas beleza. Andei pela estrada para chegar na piscina de pedra que fiquei pouco tempo, porque é o seguinte: eu não combino com pedra. Eu não suporto pedras. Não suporto mais ainda rio com pedras embaixo. Peguei trauma mesmo da Chapada. Peguei trauma das pedras que me machucaram lá, peguei trauma de não conseguir enxergá-las, de não sentir se o próximo metro é bom ou não.

Então é o seguinte: não, não entro na piscina de novo. Só pra molhar os pés. Mas nadar? Não, obrigada.

Tirei fotos. Um trilhão de fotos. Eu e Daena, a linda. Vamos virar fotográfas profissionais, montar um estúdio foda e ficarmos ricas e dominarmos o mundo. Cuido da produção, ela cuida dos retratos. Cuido das flores, ela cuida dos animais. E por aí vai, dupla que se completa na fotografia. Com a câmera da outra amiga, claro, porque a dela é uma linda de uma semi profissional que nos ajudou pra caramba. Ela nos ama e nós a amamos. Uma linda relação amorosa de 2 garotas + 1 câmera fotográfica. Amanhã pego as fotos, espero não me desiludir ao passar as fotos pro pc. Espero.

Foi produtivo. Relaxante.
Ficaria mais uma semana lá, de boa.


Fiquei na casa verde aí, no quarto dos fundos. Foto não é minha, roubei do site do hotel-fazenda.

2 comentários:

Carol Winchester disse...

Estou pretendendo fazer isso também, em Maio. Vou viajar com apenas uma amiga pra Angra dos Reis, aqui no RJ mesmo (Lá onde fica Angra 3 rs). Já pesquisamos a pousada e algumas coisas pra fazer, to precisando me desligar um pouco do mundo e entrar em contato com a natureza, fazer essas coisas é sempre bom. :3

Letícia D. disse...

Foi lindo ficar aí com meus lindos amigos, numa vibe bem serena, cantando altas horas do noite, cantando loucamente, comendo comidas LINDAS né Luna? rs e curtindo a natureza tirando, é claro, as aranhas demoniacas que habitavam o teto do pátio do hotel, foi legal machucarem minha perna na trilha também, to com os aranhados curando até hoje e enfim FOI LINDO