segunda-feira, 19 de abril de 2010

dou a tapa a cara



Umrae me enviou um comentário com o seguinte questionamento:

Agora o momento pergunta cretina e infame. Luneta, se você é tão revoltada com a Capricho e as demais revistas "de beleza" por não darem o devido destaque à etnia negra, responda-me: Por que, em seu romance/novela, não há um personagem de pele negra que não seja um demônio ou qualquer criatura do mal? Por que a meiga e delicada protagonista é loira e de olhos azuis? Por que, entre os mocinhos, a personagem que chega mais perto de ter pele negra (mas que não é, e sim de um tom "mulato", moreno bem escuro) não foi criada por você?
Ok, eu avisei que ia ser cretina, mas coerência é tudo nesta vida, né?

Primeiro, não, não é uma pergunta cretina.

E em segundo, sim, eu percebi.
Na verdade já tinha percebido isso, me questionado muito. Mas realmente só hoje que fui ter uma conclusão mais coerente. Você tem toda a razão: coerência é tudo.

E essa justamente é a parte mais perigosa. Não é simplesmente sermos racistas porque achamos "cabelo de negro = ruim". É simplesmente a noção estranhada que faz com que a gente acabe ignorando a diversidade das cores, cabelos, etc. É simplesmente saber que a beleza está tão associada à pessoa branca que quando sentamos e escolhendo uma bonequinha em, sei lá, Garota Popular, a gente escolha a pele mais branca. Eu comecei a reparar nos meus personagens quando eu descobri o Nyah Fanfiction e sua comunidade de Orkut e lá tinha um tópico sobre pessoas debatendo sobre como criar personagens negros.

Aí caiu a ficha: eu não tinha realmente uma diversidade.

Quer dizer, eu sempre defendi, sempre achei errado, mas eu não dava o exemplo, o que é MUITA hipocrisia da minha parte (ou não, dado o fato que estou assumindo ao invés de arranjar uma desculpa esfarrapada. Mas isso não me torna melhor). Sempre criei meus personagens preferindo que fossem ruivos (simplesmente porque acho aquela imagem de menina ruiva, de cabelo meio volumoso, indefinido, uma graça) e eu nunca vi um negro naturalmente ruivo, então eu nunca pensava em colocar negros. Se eu não me engano, na minha história, Raveneh é a única mocinha tipicamente americana loira de olhos azuis e isso acontece simplesmente porque, no começo, minha intenção era tipo uma paródia dos filmes americanos, sabe, a mocinha dos filmes (as outras loiras, acho que foi porque eu fiquei lendo Claymore e tendo na cabeça aquele tom mega descolorido. Porque surgiram na mesma época, ficaram, mas a fixação saiu). Mas a história cresceu e isso meio que ficou pra trás, mas ela continuou com seu arquétipo estúpido de mocinha americana dos anos 20.

Isso era simplesmente uma questão que passava batido por mim antes do tópico, antes da questionação de Umrae.
Eu simplesmente não percebia como os personagens criados eram, normalmente, brancos. Mesmo que eu não fizesse questão de descrevê-los, na minha cabeça eram brancos. Ainda que não brancos, mas de pele mais ou menos clara. Bem, quando eu comecei a perceber, fiz questão de começar a mudar isso. Talvez eu não possa mudar todo o elenco de Três Fadas agora considerando que os personagens já estão definidos (ou não, eu descrevo mais os cabelos do que a cor da pele, e a grande maioria tem cabelos castanhos), mas em relação a outras histórias (aquelas que guardo no Word, talvez), variar isso, utilizar personagens diferentes - e não falo somente de negros, mas também de toda uma série de tonalidades de pele que uma pessoa pode ter, desde o branco transparente até o negro tão negro que quando chega a noite, meio que some tamanha é a semelhança da tonalidade das cores (já vi uma pessoa assim. É uma cor muito bonita e acho, pessoalmente, que maquiagem fluor fica mais bonita com a pele negra do que com a branca, se destaca muito).

Basicamente, dou a cara a tapa.

Continuo com meu discurso abaixo o racismo. Mas a partir de agora, prestar mega atenção nos meus personagens. Não cair naquela coisa de "ter-que-ter-todo-mundo", porque meio que odeio quando alguém tá lá só por, sei lá, que eu instalei uma cota básica de 10% negros. Não dá, cara. Mas, sim, lembrar que existe mais que europeus nesse mundo, que ruivos são lindos, mas não são as únicas criaturas oh-my-god. Lembrar de mais cores, variar mais os tons, as personalidades, as culturas, etc. Em suma, tornar minhas histórias - e consequentemente a mim - mais ricas, variadas e complexas ;*

P.S.: a respeito dos demônios, de novo eu lia Claymore demais. Eu sou muito canibal nesse sentido, vivo comendo outras histórias pra inserir nas minhas. E na época Claymore dá-lhe moça loira. E demônios, se não me engano, eram negros na forma animal (porque eu os fazia em formatos mais de aranha, serpente e tal. E eu acho cobra branca com cara de minhoca, e aranha branca feia. E não gosto muito de cores vivas ou tons de marrom). Mas na forma humana, novamente, eram quase todos brancos, se não me engano. E os vilões da primeira temporada também eram brancos, os clássicos nortistas do mal (que é bem clichê), portanto brancos e etc.

A propósito:
Página onde Umrae comentou.
Três Fadas onde escrevo a história citada. Se quiser entendê-la, vai ter que lê-la desde agosto de 2007 e é bem chata em vários momentos, até porque tenho a péssima mania de nunca revisar.
Tópico na Nyah Fanfiction em que foi debatida a questão de diferentes cores dentro de uma história. É bem interessante e contém uma postagem minha falando do meu telhado de vidro. Basicamente o que eu disse aqui em versão bem resumida. Dia 23 de janeiro. De lá pra cá, só continuei com Três Fadas no mesmo padrão e não escrevi nenhuma história realmente nova.

Imagens:
• Vanity Fair: é a polêmica reportagem que ilustrou a nova geração Hollywood e só teve atriz branca (curioso que mal me lembro da metade ali)
• Lily Cole, modelo branca, ruiva - e cujo cabelo acho lindo, porque ele é cheio, meio cacheado e tal.
• Achei no Google. Queria algo sobre beleza árabe, mas só consigo achar de mulheres com olhos extremamente maquiados, postura muito sensual e eu queria algo que fugisse disso.
• Tara, da série True Blood. A acho lindíssima, pau a pau com a Rainha de Louisiana (por acaso branca e ruiva). Mas só eu acho isso, a maioria das pessoas preferem a Sookie. Loira.
• É uma foto que eu já tinha no pc, eu a retirei do Flickr, acho. Eu acho toda a foto bela, no conjunto.



procurando uma foto legal, pensei em Hair, musical de 1979. baixe-o aqui.

10 comentários:

Chris disse...

Bom, realmente não foi uma pergunta, mas quando criamos personagens, muitas vezes nem pensamos na cor da pele em si, mas como a pessoa é por dentro, porque no final das coisas todos somos iguais ou pelos menos é o que a midia quer que achemos.

P.s: essa semana eu fui escolhida para te dar um tema no interativos e como tambem pude reparar que você deve odiar revistas mesquinhas para adolescentes e tudo que é modinha envolvendo Twilight e defende com unhas e dentes o Harry Potter, o tema é : "Fanaticos por Harry Potter e suas modinhas."

Umrae disse...

Desculpa se eu peguei pesado, hehe, mas é algo que sempre me incomodou na estória. Principalmente o fato de que, a minha personagem, uma das únicas de pele escura, acabou tendo aparência comparada aos demônios. Aliás, isso é algo que sempre me incomodou muito em D&D: as raças "malvadas" (drows, orcs, duergar, que são os anões maus, etc) eram quase todas de pele escura.
Tem uma das musas que também tem o tipo físico da Raveneh, se não me engano. E as "mocinhas" são quase todas claras, de fato (mesmo a Rafa, apesar de ter cabelos e olhos escuros, no máximo é um pouquinho bronzeadinha). Eu lembro pelos seus desenhos.
A Raveh foi a única demônio que eu lembro de você ter descrito em forma humana, e ela tinha pele escura.
Em D&D, pelo menos, as succubus são pálidas. E há demônios de todas as cores. Os aasimares, criaturas meio-anjo, são descritos como tendo pele moreno-escura / mulata.
A comunidade cujo link você postou é fechada. Não consigo ler.
Quando se fala de preconceito, é preciso tomar muito cuidado para não cair na própria armadilha. Por exemplo, vários posts atrás, você fez uma observação mais ou menos assim " Não gosto do termo "baianada" que alguns paulistas usam. é ofensivo". Tipo, você passou um post inteiro acusando os paulistas de serem preconceituosos com as pessoas do nordeste (e sei que de fato há muitos que são), mas... Só paulista que é preconceituoso no país? Só eles que usam termos assim? Porque eu já ouvi, com bastante frequência, o termo vindo de cariocas, mineiros, gaúchos, mato-grossenses, goianos e outros nordestinos.
E sim, estou sendo mala e estou pegando no seu pé um pouco além da conta, mas faço isso porque me importo muito com você e porque acredito no seu talento, portanto acho que devo alertá-la para coisas assim, que acabam tirando o impacto dos seus argumentos e os desvalidando um pouco.
PS: estou tentando colocar umas idéias no papel, coisas sobre o histórico da Umrae, algumas visões que ela tem da vida. Não estão prontas ainda, mas provavelmente você será uma das únicas pessoas a quem mostrarei.
Bjos

Umrae disse...

Aqui só uma prévia, um comecinho tosco:
http://cancaoesilencio.blogspot.com/

Carol Winchester disse...

As vezes isso acontece comigo também, tipo eu fico falando pra não fazerem uma coisa mas depois acabo fazendo, aí percebo o que eu fiz. E geralmente é muitas vezes. >_<

Laís Dourado disse...

Ow, gostei muito do tema, vou escrever o mais rapido possível! =))
Fiquei feliz de receber indicação sua, sabia que vinha coisa boaa! ;D


Acho que isso acontece meio que 'naturalmente' com a gente, devido a essa mania de ser 'canibal' em relação ao que lemos/vemos.
O problema tá com a gente, sim, mas, também está no que a gente anda consumindo. Ou seja, "eles" estão nos vendendo "produtos" muito pouco diversificados.
Se pudessemos ver mais filmes ou ler livros com personagens menos esteriotipados, pouco a pouco iriamos notar a mudança das nossas perspectivas!

Ps. hair é fantástico! :)

Bramks disse...

Rs, adoro posts esclarecedores assim. E você soube escrevê-lo, não ficou no gaguejo.

Ps: Amo Hair!

Marcelle disse...

eu também nunca coloco personagens negros nas minhas estórias e só agora que percebi.E o pior diferente de você eu não colocava MESMO nem sendo bom nem sendo mal,mas também algumas dessas estórias eu não descrevia muito os personagens então alguns até podem ser negros,normalmente penso mais em como vão ser por dentro e cabelo olhos e não a cor da pele,mas agora ficarei esperta mas não por pena dos negros ou como essas cotas idiotas que fazem que eu acho completamente preconceituosas,estórias tem que vir do coração então quando eu achar que está na hora de um personagem negro vou criá-lo assim como já fiz com gays,e poderia fazer com ruivos,japoneses,índios sem restrição de cor.Pois não são só os negros que sofrem discriminação.

Aline J. Romy disse...

Eu vim perceber hoje que nunca coloquei um personagem negro em alguma historia minha, já coloquei moreno, mas nunca negro! Por mais que eu não considere preconceito da minha parte, pois geralmente, nas minhas fics os personagens parecem com meus amigos e não tenho nenhum amigo negro! Tbm não é por preconceito, antes de me mudar minha melhor amiga era negra, negra mesmo e eu adorava ela e a achava linda! Mais linda que muitas meninas brancas! Mas agora vou tentar colocar personagens negros nas minhas historias!

Umrae disse...

Tenho algumas dicas para a sua pauta do Interativos, huahuahua. Como fãs de Harry Potter sempre acham que ele é muitíssimo original e nele é que se inventaram um monte de coisas (que meio mundo já tinha usado antes), ainda que não se possa alegar muita coisa da autora, afinal são a visão e a leitura dela dos mundos de fantasia / magia, da arte/desenhos dá para falar bastante sim. Já ouviu falar de "Books of Magic", do Gaiman e um outro cara cujo nome não lembro? É, ele é a cara do Tim Hunter...

Franci disse...

Luna,tava curiosíssima pra saber o que você iria responder(vi o comentário da Umrae no outro post).
Acho legal que você esteja disposta a 'variar' o perfil dos personagens