terça-feira, 13 de abril de 2010

37 benefícios que dividem nós e gays.



§ 3º - Para efeito da proteção do Estado, é reconhecida a união estável entre o homem e a mulher como entidade familiar, devendo a lei facilitar sua conversão em casamento.
Artigo 226, Constituição da República Federativa do Brasil.

Vamos lá.
Quando você se casa no Brasil, de papel passado e tudo, você recebe uma série de direitos básicos e fundamentais para uma família. Primeiro a entidade familiar paga os adoráveis impostos de forma conjunta, então o peso é menor para cada indivíduo. Além disso você pode incluir o seu amor como dependente no plano de saúde, na previdência, além de terem direito à adoção, podem somar as rendas para aprovar financiamentos ou pra alugar imóvel, podem visitar o amor na prisão como visita íntima, recebem herança, licença-maternidade/paternidade, licença-luto e podem também alegar dano moral caso o cônjugue seja vítima de um crime (é, você pode).

Mas há uma minoria que mesmo "casada" não pode. Não tem direito a nenhum desses benefícios.
Você vai dizer: que absurdo! E quem são?
Os gays.

Ah, não faça cara de nojo. Nem comece a evocar a Bíblia com todos seus ensinamentos dizendo que homossexuais não terão o Reino dos Céus. E se for uma menininha histérica, já vi que vai começar a dar ataque tendo nojo de beijo gay, mas quer muito um amigo gay, porque, poxa, eles são tão legais, simpáticos e sabem tudo de moda, né? Mas deixe-me trazer a realidade para dentro do seu cotidiano, menininha histérica: os gays são pessoas absolutamente normais, tá? Eles podem ser legais ou um porre, podem não saber nada de moda, acordam, vão no banheiro, tem chulé e mau hálito. São pessoas completamente humanas com defeitos e qualidades e etc. A unicazinha diferença que faz tudo mudar é com quem eles querem formar laços matrimoniais. Nem falo transar porque, no fundo, a lei não vai interferir nisso: cada um transa com quem quiser, e contanto que não estupre, nem pegue criança nem animal, tá tudo bem. Estou falando é da palavra que, hoje em dia, é meio desvalorizada: casamento. Ao que tudo indica, tudo bem você ter um amigo gay. Não tem problema se eles existirem. E daí que sejam somente caricaturas no Zorra Total? (Serginho, oi!) Estamos dando um espaço para que eles existam, mas só depois de meia-noite, quando criança estiver dormindo. E nada de sexo, no máximo um selinho.

Mas casamento, não! Eles não podem nem ouvir a palavra "casamento" se ela for somada a "gay".
Casamento gay.

Claro. É uma ameaça à Família, Honra e Moral, Decência e... tudo com as iniciais maiúsculas, porque, sabe, esses defensores da Honra e Moral escrevem tudo com letra maiúscula, para exaltar os atributos valorizados. Porque a família é super-mega-hiper-maxi-importante e ela nunca, nunca deve ser, ao menos, maculada. Casais servem para procriar e serem uma entidade familiar reconhecida perante Deus. E daí que existe o divórcio e só o papa que ainda acha isso absurdo? Casais que se unem depois de um mês e se separam depois de uma semana ainda são mais santos e íntegros do que casais gays. E daí que estéreis podem se casar? Não podem terem filhos, mas tudo bem o casamento, afinal casamento não é só pra procriar, mas pra... não interessa, é uma entidade familiar. Ah, como eles enchem a boca pra falar entidade familiar!

E as crianças. Claro, porque casamentos gays, obviamente, farão com que as crianças - adotadas ou frutos de inseminação artificial ou frutos de relações naturais, ora bolas - sejam gays. Porque, você sabe, né, a gente consegue influenciar tudo nessa vida. E daí que grande parte dos gays viveram com pais heterossexuais, professores heterossexuais e coleguinhas heterossexuais? Continuamos acreditando que sim, um casal gay vai fazer com que seus filhos sejam gays, contrariando tudo o que o bom senso e pesquisas científicas constatam. Vamos lá na Holanda. Há, pelo menos, 20 mil crianças adotadas por gays lá. Se hoje houvesse, de repente, um acréscimento de 20 mil gays, a gente saberia, né? É só um teste. Com certeza as crianças não vão ter em casa um modelo masculino E um modelo feminino, assim como também podem sofrer preconceito por parte da sociedade. Mas item por item: primeiro, filhos de pais separados também não tem em casa um modelo masculino E um feminino, principalmente se um dos lados (geralmente o pai) foge da raia. Então a criança procura seus modelos em avós, tios, professores, amigos do casal. Isso já acontece faz muito tempo, pena que ninguém lembra disso (como fui criada praticamente sem pai, meu modelo foi meu avô. Isso não me causou nenhum trauma). E segundo, as crianças de pais separados também sofreram preconceito. Assim como sofrem hoje crianças negras, crianças pobres, crianças ricas, crianças de famílias umbandistas, crianças de pais evangélicos, crianças de pais que não seguem religião, crianças gordas, crianças magras, crianças de cabelos crespos e etc, etc, etc. Poderia ficar um ano inteiro e a lista dos motivos do sofrimento de uma criança nunca acabaria. Então eu aconselho que antes de acharem que crianças vão, omg, sofrer e virar rebeldes e tal, aconselho que mude essa sociedade preconceituosa. Um casal gay tem um filho. A sociedade rejeita essa criança por conta de seus pais serem gays. Quem está errado? Os pais, a criança ou a sociedade?
Um chocolate se você responder que é a terceira opção.

Eu não consigo ver lógica na proibição.
As pessoas falam que é imoral, que é nojento e que vai contra as leis divinas. Mas acho mais imoral que crianças sejam prostituídas do que dois caras que resolvem se unir, perante a Lei, cumprindo um rito que se desvaloriza, pouco a pouco. Nojento? Os slides que meu professor de HST passou com braços sangrando e mãos esmagadas (acidentes de trabalho, olha o que acontece se você erra!) eram muito mais nojentos, e o que eu fiz? Virei a cara e não vi, em vez de gritar, berrar e dizer que aquilo era um insulto (respeitando, assim, o direito dos meus colegas que estavam interessados nas fotos horríveis). Jogos Mortais também é nojento e ninguém fala mal, mas dois caras não podem se beijar, porque aí todo mundo faz aquela cara de "eca". E se for duas mulheres, sempre tem um metido (e machista) que acha que as mulheres lésbicas aceitam perfeitamente um terceiro para compor um menáge a trois, até porque é difícil aceitar que homossexualidade é bem diferente de prosmicuidade. Adivinha só, eles tem namoros longos! Também se casam! E querem ter filhos! Eles gostam, até, da idéia de um amor pra vida inteira, não é chocante? Contra as leis divinas? Ora, mulheres independentes, vitoriosas e põem seus maridos na justiça por estupro conjugal e maus tratos também vão contra a lei divina na Bíblia e ninguém diz que elas deveriam deixar de existir.

E a pergunta mais importante para fechar esse post é: considerando que como homossexuais não podem se casar, então eles não podem deduzir o Imposto de Renda como casal, então pagando mais impostos. O que já é um absurdo... e junto com isso vem: se os homossexuais não tem os mesmos direitos que os heterossexuais, porque teriam os mesmos deveres como pagar impostos?

O filósofo Roberto Romano, professor de Ética e Política da Unicamp, disse à Superinteressante que "tirar o direito de uma minoria é tirar o direito de todos. Ou a lei vale para todos ou ela não vale nada" E sabe de uma? Eu concordo.



Pauta para How Deal.
Isso é uma das coisas que mais me fazem indignar com o Brasil, Brasil. POR QUÊ a gente permite que a religião interfira em assuntos que não são da conta dela? Permitimos que uma Igreja governe para 190 milhões de pessoas que apesar de 80% ser cristã, os outros 20% não são, e não deveriam, de modo algum, se submeter a leis criadas por tal religião, somente ao Estado (que é influenciado -.-').

Eu já tinha falado de gays, mas era mais sobre homofobia aqui, mas o assunto da pauta era casamento gay, o prazo era 14/04 e não tenho garantia de vir pra cá amanhã ou depois, então teve que rolar um post meio repetitivo pra hoje mesmo. Besos! ;*

Dica do dia: esse vídeo do Youtube. Você chora de tamanha ignorância ou você ri da falta da atenção do povo?

E pequeno texto sobre casamento gay que roubei da comunidade Homofobia - Já Era (que por acaso pertence à Elenita, aquela doutora no BBB10.)

10 razões para rejeitar o casamento gay!

1- Ser gay é anti-natural. Pessoas decentes rejeitam coisas anti-naturais como poliéster, computador e ar-condicionado, certo?

2- O casamento gay vai encorajar as pessoas a serem gays também, da mesma forma que ser amigo de pessoas altas te deixará mais alto.

3- Legalizar o casamento gay abrirá as portas para todo tipo de maluquices. Algumas pessoas poderão até querer casar com seus animais porque um cachorro pode ler e assinar um contrato de casamento e chamar um advogado caso queira o divórcio.

4- Casamento hetero está aí há um tempão e não mudou nada: mulheres ainda são propriedade, negros não podem se casar com brancos e o divórcio ainda é ilegal.

5- O casamento hétero perderia seu significado se o casamento gay fosse permitido: a santidade do casamento de 48 horas da Britney Spears seria destruída.

6- O casamento hétero é válido porque produz crianças. Casais gays, inférteis e idosos não podem se casar porque nossos orfanatos não estão lotados ainda, e o mundo precisa de mais crianças.

7- Obviamente, casais gays vão criar crianças gays, uma vez que casas héteros sempre criam crianças hétero.

8- O casamento gay não é aprovado pela religião. Numa teocracia como a nossa, os valores de uma religião são impostos ao país inteiro. É por isso que nós só temos uma religião no Brasil.

9- Crianças nunca teriam sucesso na vida sem um exemplo masculino e um feminino para seguir em casa. É por isso que nossa sociedade proíbe que crianças sejam criadas por pessoas solteiras.

10- O casamento gay mudará as bases da sociedade; nós nunca nos adaptaríamos às novas normas sociais. Exatamente como não nos adaptamos à globalização, à democracia e à expectativa de vida mais longa, entre outras coisas.


Referências:
Superinteressante, edição 202 - JULHO 2006, página 46 até 53. Pode acessá-la integralmente aqui. Leiam, é muito boa e dá uma dimensão maior dos dois lados da questão. Também é a capa que ilustra o começo desse post.

A imagem de Batman peguei da We ♥ It. E não me culpem por a imagem do começo do post ser a capa de uma revista, não achei nenhuma imagem realmente linda de noivas. Porque quando procuro por gay ou encontro um monte de bandeiras ou acho pornografia? ;_;

9 comentários:

Claudia disse...

"então o peso é menor para cada indivíduo"
Errrrm, há controvérsias... Em boa parte dos casos, é melhor fazer a declaração separadamente em vez de declarar um como dependente ou de fazer a declaração em casal. Principalmente se um ainda cai na faixa de isento. Por exemplo: quando, somando-se ambos os salários, cai-se em uma faixa de contribuição maior (o vai acontecer com todo mundo que não tenha ou salários baixíssimos ou muito altos), é MUITO MAU NEGÓCIO fazer a declaração juntos, porque a alíquota aumenta drasticamente (mas o valor total dos salários não). Quando ambos têm salários altos (faixa dos 27,5%), não faz muita diferença. É preciso fazer a simulação no programa da Receita Federal, mas não vai achando que é muita vantagem não.

Bom, a razão pela qual eu sou a favor do casamento civil gay é justamente a questão dos direitos legais. Não acho justo que duas pessoas passem a vida inteira juntas mas, quando uma morre, a outra não tem direito à parte que normalmente cabe ao cônjuge da herança, a menos que haja um testamento, por exemplo.

E quanto ao casamento religioso... Quem faz questão devia fazer sabe o que? Fundar uma nova igreja! Não foi isso que fizeram na Inglaterra para permitir o divórcio, por exemplo? Simples e prático...

Claudia disse...

Pagar imposto é obrigação, seja heterossexual, gay, casado, solteiro, assalariado, profissional liberal, microempresário, prestador de serviços, etc. Pare de querer causar uma rebelião contra a Receita Federal, ok (e lembre-se: a Receita Federal não é burra, a diferença nunca seria BRUTALMENTE favorável ao cidadão, normalmente é muito pouca)? Basta a corja de sonegadores que já temos.

Só para deixar claro: Umrae disfarçada.
Bjo

Claudia disse...

Só uma última explicação sobre IR:
compensa declarar como dependente os filhos (que não trabalhem) ou cônjuge desempregado. Se declara-se um cônjuge ou filho com emprego, ainda que na faixa de isento, é necessário declarar os rendimentos dele também. Normalmente, quando se faz isso, mesmo havendo mais deduções a fazer (mensalidade de faculdade e despesas médicas do dependente, por exemplo), o valor do imposto ainda fica maior (lembrando que o valor das deduções é "limitado", mas os descontos do salário não).

Laís Dourado disse...

hje nao dá tempo, amanha aprecio os ultimos textos c a calma q merecem, mas, só por alto, já digo que curti muito.
haehaehaeh
;)
esses 10 argumentos tao supimpas!

Tadeu Goulart disse...

Olha, adorei o post. Traduz bem o que muitos de nós pensamos à respeito de uma questão discutida tão mal nos dias de hoje.
O blog está ótimo. Já adicionei até :**

x Sete Pontas disse...

O post foi incrível, Luna.
É importante tratar desse assunto, principalmente colocando o ponto "religião NÃO deve se meter em política".
Um outro argumento que usam é que "dois gays se beijando é promíscuo"... Sinceramente, a maioria dos casais vulgares que vejo na rua são hétero.
É complicado assumir que é gay/lésbica/bissexual. Quando você assume, um monte de gente resolve meter o bedelho na sua vida e começa a fazer umas perguntas meio embaraçosas, sem contar as caretas de "urgh".
Tá na hora do mundo entender que o amor não se mede pelo sexo do casal. Um casal hXh pode se amar tanto quanto um hXm.

[Garota Bossa-nova] disse...

Texto sensato e gostoso de ler como sempre. Para um tema polêmico só mesmo uma leitura clara e objetiva. Parabens pelo blog! Abração!

Rafaela disse...

Existe um projeto de lei em tramitação que prevê a formação de uma entidade familiar homoafetiva (termo menos perjorativo, segundo alguns juristas), e isso permitiria a adoção por parte desses casais... Todavia, tal projeto encontra alguns entraves por parte dos legisladores que estão no Congresso... alguns são contra. Mas é uma tendência do Judiciário permitir a adoção por parte dos casais gays. Não só isso, como também concede vários outros direitos (como os direitos previdenciários e alguns julgados que mostram a aceitação de direitod e herança para parceiros homossexuais). É que a justiça entende que não dá pra ser hipócrita e fingir que o homossexualismo é algo anormal. O problema é que parte de nossa sociedade é cheia de falsos pudores. Mas isso certamente. As mudanças não chegam a ser um avanço, mas com certeza são um passo para, quem sabe num futuro próximo, a sociedade começar a desenvolver mais tolerância e respeito pelos os que consideram "diferentes".

Rafaela disse...

*de herança
*Mas isso certamente está mudando


errei demais, tava com sono XD

adorei o texto Luna ;*